PLAN + UX = DEV

Pesquisar

Progresso:

Como instalar o WordPress em um servidor Linux? (CentOS7)

Sumário

“Como instalar o WordPress em um servidor Linux?” Essa é uma dúvida que assombra algumas pessoas pela internet.

O WordPress é conhecido como o maior CMS Open Source que existe no mercado atualmente. Apesar da crescente concorrência, o WP (como é chamado popularmente) tem conseguindo cada vez mais espaço na internet conquistando uma fatia de 37% dentre todos os sites on-lines no mercado para sua plataforma.

Tendo em vista sua importância, entender como implementa-lo em um Server é algo verdadeiramente imprecindível para qualquer profisional de T.I no mercado. Devido a sua popularidade, o WordPress conquistou muitos departamentos de Marketing ao longo do país que seguem utilizando-o como seu CMS principal.

Neste documento iremos compartilhar como instalar o WordPress em um servidor Linux (até o momento sendo qualificado como o melhor ambiente para uma aplicação PHP complexa como o WordPress).

Como instalar o WordPress em um servidor Linux: introdução

Antes de começarmos com o passo a passo é importante ceder uma introdução. Neste cenário, estamos utilizando uma máquina que contém a distribuição Linux CentOS 7, caso seu interesse seja aprender o processo, recomendamos consumir o conteúdo usando o mesmo sistema operacional.

Se este não for seu caso, não se preocupe! Pois todas as distribuições Linux no mercado apresentam uma Command Line similar, assim como uma estrutura operacional de sistema. Resumindo, é provável que o processo que você terá que seguir em outra distribuição Linux seja extremamente similar ao que vamos mostrar aqui.

OBS.: Nesse tutorial estamos partindo do pressuposto que a máquina em questão já conta com o LAMP (Linux, Apache MySQL e PHP).

Sem mais delongas… vamos para o terminal!!

Passo 1: Fazer o download do WordPress dentro do diretório temporário (tmp)

Após logar com o seu acesso remoto (SSH), você deverá inserir no terminal o comando:

				
					cd /tmp
				
			

Esse comando irá levar você para o diretório de arquivos temporários do Linux. Agora, insira o comando “pwd” para ter a certeza de que de fato se encontra no diretório correto. Tendo em vista de que o resultado do “pwd” foi positivo, insirá o comando:

				
					mkdir wordpress
				
			

Para criar um diretório especial onde vamos inserir todas as dependências do WordPress. OBS.: Estamos fornecer o “wordpress” como um nome genérico para ilustrar melhor o tutorial. Utilize o nome que combine melhor com o seu projeto.

Uma vez criado, agora você deve entrar no diretório atráves do comando:

				
					cd wordpress
				
			

Lá dentro, você irá iniciar o processo de download do WordPress.

Para facilitar a aquisição da aplicação, o WordPress conta com um link direto que consegue fornecer a última versão da aplicação diretamente para a máquina. Com o intuito de consumir esse link com facilidade, vamos utilizar o “WGET”, um sistema do Linux que lida com esse tipo de operação.

OBS.: Caso você não tenha o WGET instalado, basta rodar o comando “yum install wget” e seguir o processo de instalação através do terminal.

Com o WGET instalado, agora podemos rodar o comando para consumir o link de download do WordPress. Insira o seguinte comando no terminal para dar inicial ao processo de download:

				
					wget http://wordpress.org/latest.tar.gz
				
			

Uma vez executado este comando, no terminal irá aparecer uma confirmação de download. Digitando o comando “ls”, será possível identificar o arquivo compactado do wordpress já inserido dentro do diretório “wordpress” conforma mostra a imagem abaixo:

Reparando na imagem acima conseguimos identificar uma extensão de arquivo “.tar.gz”. Essa extensão indica que o arquivo está aglutinado e compactado. Dentro do Linux é utilizando o seguinte comando para desaglutinar e descompactar um arquivo:

				
					tar -xzvf latest.tar.gz
				
			

Após executar este comando, o terminal irá exibir uma lista extensa de arquivos que foram descompactados como mostra a imagem abaixo:

Ao finalizar o processo de descompactação, digite o comando “ls” para verificar os itens que agora estão no diretório temporário. Conforme mostra a imagem abaixo, um segundo arquivo já descompactado agora se juntou a versão compactada do WordPress.

Esse novo arquivo que agora faz parte do diretório, contém todas as permissões e dependências que o WordPress precisa para funcionar. Esse mesmo arquivo deve ser sincronizado com o diretório que você criou para darmos sequência ao processo de instalação.

Passo 2: Criando diretórios

Os arquivos WordPress devem conseguir acessar o ambiente que eles irão morar! Em primeiro lugar, é necessário que esses ambientes sejam criados. Para criar os diretórios necessários, basta seguir o passo a passo que foi listado abaixo:

  1. Digite o comando “cd /var/www/html”, e assim, acessando a pasta de arquivos HTML da sua distribuição Linux;
  2. Use o comando “pwd” para ter a certeza de que está no diretório correto e na sequência, o comando “ls” para listar no terminal as pastas que já existem lá dentro;
  3. Hora de criar o diretório. Digite o comando “mkdir meu-wordpress”. OBS.: A frase “meu-wordpress” representa o nome que foi dado a pasta/diretório que está sendo criada dentro do servidor;
  4. Agora, digite o comando “cd meu-wordpress” ou o nome que seja correspondente ao diretório que você quer acessar. Uma vez lá dentro, é preciso criar uma pasta pública para os arquivos que serão carregados no Browser. Então, digite o comando “mkdir public_html”;

Agora, temos o ambiente onde os arquivos de instalação do WordPress devem ser transferidos.

Passo 3: Sincronização de arquivos e permissões com o diretório

Após baixar o WordPress, ele agora deverá ser enviado para o diretório onde a instalação será concluída. Para executar esse processo com maestria será necessária a ajuda de outro sistema! O RSYNC.

O RSYNC é necessário pois ele irá ajudar garantindo que a sincronização dos arquivos seja perfeita, mantendo inclusive as mesmas permissões.

OBS.: Caso a máquina em questão ainda não tenha o RSYNC instalado basta rodar o comando “yum install rsync”. Depois, siga o processo de instalação até o final.

Com o RSYNC instalado, acesse o diretório “WordPress” que foi criado no 1° passo e de dentro deste diretório insira o comando:

				
					rsync -avP wordpress/ /var/www/html/meu-wordpress/public_html
				
			

OBS.: Lembrando que neste comando, todas as menções que vem depois da palavra “HTML” devem mudar, pois o nome “meu-wordpress” está representando o diretório que foi criando para este tutorial.

Uma vez transferidos, no terminal irá aparecer uma lista de arquivos como mostra a imagem abaixo:

Depois de transferir os dados, o próximo passo é ceder a permissão necessária para que o WordPress consiga trabalhar corretamente. No caso do WordPress, todas as atividades que ele exerce desde criação de páginas a instalação de novos plugins é feita via FTP. Contudo, existe um ponto especial aqui.

Devido a configurações primordiais que foram implementadas na plataforma, o WordPress exige que o Apache seja o dono de todos os arquivos e dependências da aplicação. Caso o contrário, o WP não vai funcionar corretamente.

O próximo passo agora é ceder para o Apache a responsabilidade sob todos os arquivos dentro do diretório onde se encontra nosso WordPress. Para completar essa tarefa, insira no terminal o comando:

				
					chown -R apache:apache /var/www/html/meu-wordpress/public_html
				
			

Acessando o diretório em questão e digitando o comando “ls -l” é possível verificar se o Apache agora ser tornou realmente o responsável pela pasta como mostra a imagem abaixo:

Passo 4: Criando a base de dados

Para o WordPress ficar completo ele precisa de uma base de dados SQL. Neste tópico, vamos exemplificar como conseguir concluir este objetivo que é a criação da base de dados.

  1. O primeiro passo é acessar o MySQL. Para isso digite o comando “mysql -u root -p”. Depois, digite o usuário e senha do banco de dados em questão;
  2. Na sequência, digite o comando “show databases;” para avaliar todas as bases de dados que já se encontram na máquina. É importante executar esse processo para evitar confundir os nomes na hora de cadastrar uma nova base de dados;
  3. Agora, digite o comando “create database wordpress”. OBS.: A palavras “WordPress” não faz parte do comando. No caso, ela está representa o nome dado a base de dados que estamos criando. Sendo assim, recomendados que você escolha um nome que tenha haver com o seu projeto para ajudar na identificação;
  4. Uma vez criada a base de dados, digite o comando “use wordpress”. Nesse caso, o “WordPress” também está representando o nome da base de dados que criamos. Com o comando mencionado, iremos entrar dentro da base de dados em questão;

Uma vez lá dentro, temos dois caminhos a seguir:

  • O primeiro, seria ceder a um usuário existente permissão absoluta sob todas as tabelas da base de dados que criamos;
  • O segundo, seria criar um usuário novo e então ceder há ele permissão absoluta sob todas as tabelas da base de dados;

Vamos partir do pressuposto que já exista um usuário criado na base de dados e então vamos atribuir há ele a permissão total para com as tabelas. Para fazer isso, digite o comando a baixo:

				
					grant all privileges on wordpress.* to ‘master’@’localhost’;
				
			

OBS.: Nessa análise estamos considerando que o nome do usuário em questão é “master”.

Após executar o comando, uma mensagem “query ok” irá aparecer no painel. Na sequência, digite o comando “flush privileges” para registrar os novos privilégios.

Após realizar todas as tarefas mencionadas, estamos prontos para deixar o editor do MySQL e continuar nossa instalação.

Para voltar ao editor do terminal Linux, digite o comando “Ctrl+L”.

Passo 5: Sincronizando domínio no Apache com o diretório correto

A configuração do Apache é um tema que não será aprofundado neste documento. Contudo, é importante mencionar o processo de configuração do domínio já que sem este passo, não é possíve concluir a instalação.

Para configurar o domínio no Apache basta seguir este caminho:

Primeiro, digite o comando “cd /etc/httpd/conf” para acessar o diretório de arquivos de configuração do Apache.

Depois, digite o comando “vi httpd.conf” e acesse o arquivo de configuração principal.

Uma vez lá dentro, inicie o processo de configuração do Host Virtual do seu domínio seguindo a formatação abaixo:

				
					<VirtualHost *:80>
ServerName example.com.br
ServerAlias www.example.com.br
DocumentRoot "/var/www/html/meu-wordpress/public_html"
</VirtualHost>
				
			

Com essa configuração o Apache será capaz de identificar o caminho correto que deve enviar o Request sempre que um usuário tentar acessar o domínio.

Passo 6: Configurando arquivo wp-config.php

O arquivo wp-config.php é responsável por receber as credenciais necessárias para poder acessar a base de dados, seja por acesso local ou por endpoint. Para que a instalação possa prosseguir para o seu estágio de finalização no navegador, é necessário garantir que o wp-config.php esteja muito bem configurado.

Primeiro acesse a pasta “public_html” do diretório onde foi feita a sincronização dos arquivos e dependências do WordPress. Para este tutorial, estamos utilizando o diretório fictício “meu-wordpress”, sendo assim, vamos acessa-lo através do comando “cd /var/www/html/meu-wordpress/public_html.

Uma vez lá dentro, precisamos fazer uma cópia do arquivo de “amostragem” do wp-config.php, gerando assim um arquivo com o nome correto. Para isso, digite no terminal o seguinte comando:

				
					cp wp-config-sample.php wp-config.php
				
			

Após essa ação, o arquivo wp-config.php poderá ser visto usando o comando “ls” como mostra a imagem abaixo:

O próximo passo é acessar o arquivo com o comando “vi wp-config.php” para editar as configurações fornecendo:

  • Nome da base de dados: wordpress
  • Usuário: master
  • Senha: criandowordpress22

Segue abaixo imagem de referência:

Como instalar o WordPress em um servidor Linux: conclusão

Pronto! Este é o fim de todo o processo do lado do servidor. Agora, basta acessar o domínio que foi cadastrado no Apache e destinado para o WordPress, e através do navegador, será possível finalizar a instalação.

O processo final é bastante intuitivo! Uma vez que o mesmo é feito com o auxílio de uma interface gráfica. Ele se resume em adicionar informações básicas como por exemplo “título do seu site”, além de criar um usuário para que possa acessar o WordPress diretamente pelo navegador.

Boa sorte!!!